Saúde ocupacional: Doenças comuns e como evitá-las

saúde ocupacional, doenças comuns e como evitá-las

Saúde ocupacional está relacionada a doenças relacionadas ao ambiente de trabalho, também conhecida como doença profissional, que está descrita no artigo 20, inciso 01 da lei de nº 8.213 de 24 de julho de 1991, pode ser definida como todo os tipos de patologias/enfermidades decorrentes do exercício de uma determinada atividade profissional.

O diagnóstico da doença ocupacional depende do nexo de causalidade, o qual nesse caso é a ligação entre a doença e o trabalho desempenhado, uma vez que o trabalho deve estar diretamente ligado à doença, sendo seu causador.

Uma boa forma de fixar o conceito de saúde ocupacional é com exemplo abaixo:

A LER (lesão por esforço repetitivo): problema ocasionado pela inflamação de músculos, e/ou tendões. Essa doença costuma ocorrer de forma mais frequente em pessoas que trabalham em frente à computadores, digitando durante muitas horas, ou pessoas que exerçam outras atividades que envolvam movimentos repetitivos. Como consequência dessas doenças, o trabalhador passa a sentir muita dor, podendo até mesmo ficar incapacitado de exercer suas atividades profissionais provisória ou permanentemente.

Saúde ocupacional: Doenças ocupacionais comuns

As doenças ocupacionais são responsáveis pelo afastamento de milhares de profissionais todos os anos, é um problema sério, o que afeta tanto as empresas com altas taxas de absenteísmo, quanto os trabalhadores, que podem desenvolver problemas sérios de saúde ocupacional.

1 – LER/DORT

LER (Lesão por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) são as doenças ocupacionais mais comuns e que acontecem  com mais frequência. São geralmente provocados por uma má postura e esforços repetidos por longos períodos.

Para prevenir esses problemas é preciso utilizar equipamentos ergonômicos, corrigir a postura (mantendo a coluna reta), fazer pequenas pausas durante o trabalho e alongar o corpo, principalmente as partes mais afetadas pelos desempenho da função. Mesmo com a precaução, se perceber o surgimento de dores, procure um médico para que ele faça uma avaliação e diagnostique o problema.

2 – Doenças psicológicas

As pressões, metas e excesso de cobrança no ambiente de trabalho, toda essa correria cotidiana somada a longas cargas horárias de trabalho, e pessoas que ainda têm mais de um emprego ou também estudam, faz com que fiquem ansiosas, desenvolvam o estresse e até mesmo a depressão, o que pode desencadear outras doenças, além de afetar negativamente a vida social e laboral.

É importante que no ambiente do trabalho haja um sistema de avaliação e controle das doenças psicossociais, de modo a gerir o nível de estresse laboral, identificar os fatores de risco e trabalhar em ações que estimulem o bem-estar mental dos colaboradores. Em alguns casos, pode ser preciso diminuir a demanda de trabalho, metas e o nível das cobranças, não incentivar que os funcionários levem trabalho para casa, entre outras ações. A prática de atividade física também tem um papel importante na prevenção dessas doenças.

Ao ser percebido o surgimento desses problemas, o profissional deve buscar o auxílio médico, de preferência de um psicólogo, para fazer o acompanhamento do quadro. Afinal, a saúde ocupacional é algo que deve ser levada em consideração.

3 – Doenças dermatológicas

Reações alérgicas relacionadas ao contato com determinadas substâncias (como óleo, graxa, entre outras), no ambiente de trabalho podem resultar em ardência, coceira, vermelhidão, aspecto escamoso, etc. Para evitar esses problemas, os profissionais devem utilizar roupas de proteção (mangas longas e calças e botas de borracha) com tecidos resistentes.

A exposição excessiva ao Sol, sofrida por trabalhadores ao ar livre, pode trazer graves problemas de pele, podendo desenvolver o câncer. Como alternativa, é recomendável evitar a exposição entre às 10h e 16h, e sempre utilizar protetor solar.

De qualquer forma, se perceber qualquer tipo de reação alérgica na pele (vermelhidão, ardência, dores, etc.), consulte um médico para que seja feito um diagnóstico e definido o melhor tratamento.

Conclusão:

A saúde ocupacional ocasiona problemas sérios com os quais as empresas precisam lidar. Funcionários doentes têm seu desempenho reduzido de forma expressiva, funcionários afastados provocam o remanejamento de pessoal e até mesmo algumas contratações temporárias. Para evitar esses problemas, reduzir a taxa de absenteísmo e os prejuízos financeiros, ao mesmo tempo que demonstrar preocupações com a saúde e bem-estar de seus colaboradores, as empresas devem investir em prevenção e conscientização.

É preciso que as empresas estejam atentas à saúde física e mental de seus colaboradores. Disponibilizar planos de saúde empresariais para seus funcionários é extremamente importante, dessa forma, eles poderão recorrer a um atendimento médico de qualidade no momento em que perceberem qualquer alteração em sua condição de saúde, onde rapidamente será diagnosticado o problema e, se necessário, definido o melhor tratamento.

Muitas das doenças ocupacionais podem ser prevenidas, mas no caso de alguns problemas que não podem ser evitados, ou que tendem a serem agravados, é interessante que os empregadores considerem a possibilidade de realocar esses profissionais afetados em outras funções, de modo a preservar sua saúde e mantê-lo ativo no trabalho. A saúde ocupacional precisa ser levada em conta em todas as empresas para que todos os lados vejam os benefícios de funcionários saudáveis e motivados.