Saúde no trabalho, custo ou investimento?

Saúde no trabalho: custo ou investimento?

Uma dúvida que, ainda nos dias atuais, paira sobre os gestores de muitas empresas, está relacionada às ações de promoção da saúde no trabalho: se elas são apenas custos desnecessários ou se realmente podem ser consideradas investimento.

Quem está de fora pode ter uma visão mais limitada do assunto e, por falta de informações e referências, acreditar que essas ações são inviáveis. Mas, ações de promoção à saúde no ambiente de trabalho não devem ser vistas como custo, sim como investimento, já que oferecem diversos benefícios para ambas as partes, empregador e colaborador.  Quem trabalha diretamente com o assunto, como a área de RH, departamento financeiro e gestores, pode atestar a efetividade dessas ações.

Cada vez mais organizações estão percebendo a ligação entre a saúde dos funcionários e sua produtividade. Devido a isso, estão adotando programas que promovem a saúde e bem-estar dos colaboradores, como: assistência médica, prática regular de atividade física, alimentação balanceada, estilo de vida saudável, etc.

Abaixo você confere alguns dos benefícios de as empresas investirem em projetos de promoção da saúde e bem-estar dos colaboradores no ambiente de trabalho.

  • Redução de custos com absenteísmo;
  • Redução da rotatividade de funcionários;
  • Redução do risco de acidente no trabalho;
  • Redução do número de afastamentos médicos;
  • Redução do risco de ser vítima de ações trabalhistas;
  • Melhora da reputação da empresa perante investidores, clientes e comunidade e
  • Aumento da produtividade e qualidade: devido os funcionários estarem mais saudáveis, felizes e motivados.

É evidente que os programas de saúde no trabalho não devem ser considerados custos, mas sim, excelentes investimentos. Para se beneficiar desses programas, é preciso inseri-los na cultura da empresa, alinhá-los com sua visão, missão e valores. Esses programas de promoção da saúde e bem-estar devem fazer parte da estratégia geral da empresa.

As empresas que conseguem fazer isso compreendem que devem ir além das ações básicas de promoção da saúde, devem incluir iniciativas relacionadas a assistência psicológica, prevenção e combate às drogas, prevenção de acidentes e melhoria das condições de trabalho, promoção do bem-estar dos colabores, entre outras.

Quando os funcionários percebem o cuidado e preocupação das empresas com sua saúde e bem-estar, se sentem mais motivados, se empenham mais no exercício de suas atividades, resultando em um aumento na produção e melhoria na qualidade dos serviços desempenhados.

Com a melhoria na saúde dos funcionários, o índice de ausências no trabalho diminui de forma expressiva, o que além de minimizar custos, facilita a gestão de pessoal e otimiza os processos de trabalho.

As ações com foco na  segurança no trabalho minimizam a ocorrência de acidentes e doenças ocasionadas por determinadas atividades, preservando a integridade física dos colaboradores, reduzindo os custos com rotatividade de funcionários e outros custos adicionais e, evitando que a empresa fique com uma má reputação por não cuidar da segurança de sua equipe.

Se sua empresa se preocupa com seu quadro de colaboradores, quer aumentar sua qualidade e produtividade, enquanto reduz a taxa de absenteísmo e acidentes, é hora de investir em ações de promoção da saúde no trabalho. São diversas as possibilidades de ações e projetos que sua empresa pode executar, mas a princípio, comece oferecendo assistência médica. Escolha o plano de saúde que melhor se encaixa ao perfil dos seus funcionários e à realidade da sua empresa.